Nota – Contra a reconversão da Orientação Sexual

homofobiaNOTA

No dia de ontem (18/09/2017) fiquei sabendo através do http://jconline.ne10.uol.com.br que o Sr. Juiz Waldemar Claudio de Carvalho do Distrito Federal acatou de forma parcial ação popular contra a Resolução 01/99 do Conselho Federal de Psicologia.

O Sr. Juiz oportunizou que a homossexualidade seja tratada como doença, e permite que tratamentos de reorientação sexual sejam feitos.

Eu, enquanto profissional da área de humanas, Sociólogo, Educador e Psicanalista em formação afirmo serTOTALMENTE CONTRA tal atitude, porque:

 

  • Em 17 de maio de 1990 a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista internacional de doença.
  • A RESOLUÇÃO CFP N° 001/99 de 22 de março de 1999 se baseia corretamente em preceitos internacionais contra a patologização da homossexualidade e a tentativas de reconversão e que e a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados.
  • Que tais práticas são violentações a saúde mental de qualquer pessoa e, que se assim fosse, numa lógica reversa, a heterossexualidade poderia ser reversível, também!

 

E, pelo escrito solicito a imediata revogação ou que toda a comunidade enseje todos os procedimentos jurídicos com vistas a anulação da Ação Popular, haja vista as terríveis e nefastas consequências!

 

Roberto Warken

Eu não gosto de engolir sapo

Olá para você que está lendo!

Jacques Lacan dizia que: “O que não vira palavra, vira sintoma.” .

As vezes, a gente se afoga com as coisas que não são ditas!

Há quem adore engolir sapo. Parece nojento, né? Cru deve ser mesmo, ainda mais com as perninhas mexendo! Fritadinho é uma delícia.

E, você por acaso sabe de onde vem essa expressão?

 

engolir-sapos

“A origem da expressão popular “engolir sapos” deu-se por uma das histórias escritas na Bíblia: As pragas do Egito. Uma das pragas constituía da invasão de milhares de rãs, por todo o território egípcio. Durante a preparação e ingestão de alimentos, lá estavam os anfíbios. Os animais não apenas invadiam os ambientes – cozinhas, quartos, banheiros -, como também os pratos dos habitantes do reino. Daí a expressão: “Engolir sapos”, ou seja, suportar situações desagradáveis sem qualquer manifestação.” Fonte: https://goo.gl/mYuQGh

Algumas palavras ligadas a essa expressão, são: papar mosca, comer bola, engolir em seco, coisa ruim, fiasco impresentável e desaforo quieto, só para citar alguns

Você pode pensar em demitir seu chefe, num primeiro momento mas, tente saber se é somente com você (converse com outras pessoas). Outra coisa que você pode fazer é conversar diretamente com essa pessoa (Talvez ela esteja recebendo desaforos quietos, também! E, o que você tem a ver com isso?)

Olha! Independentemente do que esteja acontecendo é bom que você esteja atento a sua saúde. Isso está afetando você? Acredite, quando aquelas empresas mandam propostas de emprego dizendo que você deve saber trabalhar sob pressão mas, não significa receber porrada o tempo todo de alguém pouco civilizado.

Há um artigo interessante sobre trabalhar sob PRESSÃO POSITIVA, se é que posso dizer assim. Veja depois em https://goo.gl/xw5wCd !

Para finalizar quero fazer algumas recomendações: PRESSÃO NEGATIVA não faz bem nenhum e, pode lhe prejudicar bastante!

Recomendo que você considere procurar um profissional da Psicanálise! Praticar esportes, se divertir em família, – dormir bem -, – se alimentar bem -. Mas, não deixe sua mente ficar inquieta!

Um excelente dia para você!

Roberto Warken

O Cachorro Sentado Sobre Um Prego

por Roberto Luiz Warken
Certa vez, uma senhora dirigiu-se a um ponto de ônibus e encontrou um senhor lendo um jornal e, segurando um cachorro preso a uma coleira.
Imediatamente ela percebeu que o cachorro estava ganindo baixinho, como um choro , um lamento.
Então, a senhora ficou preocupada com o cachorro e foi falar com o seu dono:
– “Bom dia!” – Disse ela cordialmente.
– “Bom dia!” – respondeu ele e, imediatamente retornou a ler seu jornal
– “Muito bonito o seu cachorro!” – falou, querendo iniciar uma conversa mais longa.
– “Muito obrigado!” – Respondeu ele retomando a leitura.
– “Posso fazer uma pergunta?”
– “Claro, pois não!”- falou ele, educadamente, dobrando o jornal.
– “O senhor já percebeu que seu cachorro está ganindo, como se estivesse sentindo alguma dor?” – Olhando nos olhos do homem e em seguida, apontando para o cachorro.
– “Claro! É que ele está sentado sobre esta tábua que tem a ponta de um prego. E, ele sentou-se em cima e está sentindo dor.” – Disse ele, com toda a tranquilidade.
– “Ohhh! Nossa que terrível deve ser para ele. E, o senhor não vai tirá-lo daí?”- Ela eleva as mãos ao rosto e olha para o homem e para o cão, não entendendo a situação.
– “Minha senhora!” – com um pequeno sorriso de quem entendera a preocupação alheia. E, continua…
– “ Se a dor que ele esta sentindo não foi motivo suficiente para ele levantar-se, porque eu vou fazer isso por ele?”

Moral da História: Nem sempre as pessoas vão fazer o que precisa ser feito porque não têm um bom motivo para fazer as coisas. Ao contrário, quem tem um bom motivo poderá prosperar muito. Mesmo que desconfie do negócio que está fazendo. Porque, na realidade, o negócio não é o problema. O problema é a motivação necessária que as pessoas devem ter.